quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Alegria





Por um instante

Enganar a dor

E permanecer assim

Ainda que inconsciente

Ser feliz

Com tempo marcado

Hora e minuto

Por um instante só

Ser pleno,uno,inteiro

Não ter esse deserto

Entrando pelas narinas

Nem ciscos colados na retina


O telefone continua tocando

E quem se importa?


(Fotografias retiradas do clipe SECRET)

3 comentários:

Ary Régis disse...

Ah, meu amigo, q bom vc voltou. Já não era sem tempo. Quando entro aqui e vejo um poema novo, meio que me absolvo pela não atualização do meu próprio Blog. Acho essa nossa transmissão de pensamento absurda. Hoje de manhã eu pensei sobre isso. As vezes queria me entregar à desorientação dos ignorantes e me permitir se feliz como eles. As vezes até consigo, mas é sempre tão pouco. E cada vez menos.
Beijão.

José Luiz disse...

Cadê esse poeta que resolveu me ignorar? Mas eu continuo fã incondicional e com saudade de saber de você! Os poemas continuam maiores e sempre tão bons de ler! Você nasceu para brincar com as palavras em todas as suas dimensões!

Anônimo disse...

Great Article Thanks.