quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Verniz


Hoje não tenho respostas
Para lhe dar
E mesmo que continue
Querendo seguir ao meu lado
Devo avisar que não sei
Para onde estou indo

Não uso verniz
O mapa da minha vida
Começa indicando os sinais de perigo
Não gosto de convidados descontentes

Mesmo assim
Você deveria ficar mais um pouco
Logo o chá será servido
E meus fantasmas
Não machucam ninguém
Além de mim,é claro.
Para T.U.

(Fotografias de Diane Arbus)

2 comentários:

Arthur disse...

há muito por trás disso?
"os meus fantasmas não machucam ninguém"
no meu caso:
os meus olhos não estam molhados pelos fantasmas do passado!
......
os poemas são incríveis....
vou ler as postagens anteriores...até breve!

José Luiz disse...

Esses fantasmas têm urgências que se materializam numa ansiedade e numa emoção muito especiais!!!